“Se perdesse todas as minhas capacidades, todas menos uma, escolheria ficar com a capacidade para comunicar porque com ela depressa recuperaria tudo o resto.”

Daniel Webster

Importancia dos SAAC na comunicação


A fala é a forma de expressão mais utilizada pelas pessoas quando pretendem comunicar, assumindo uma importância fundamental na interação social. Na presença de perturbações graves que deixam poucas esperanças quanto à aquisição de uma comunicação funcional, torna-se necessário encontrar um meio alternativo de comunicação não oral, adaptado às necessidades e capacidades da criança e que seja revelador do seu potencial cognitivo.

Sendo a Educação um direito fundamental de todo o ser humano as pessoas incapacitadas de comunicar através da fala (como é o caso de alguns portadores de deficiências neuromotoras graves de que é exemplo a paralisia cerebral), deverão poder aceder aos currículos educativos, recorrendo, tão precocemente quanto possível, aos sistemas aumentativos de comunicação e às tecnologia de apoio que os suportam.

Os Sistemas Alternativos e Aumentativos da Comunicação são definidos como “(…) um conjunto integrado de técnicas, ajudas, estratégias e capacidades que a pessoa com dificuldades de comunicação usa para comunicar.” (Ferreira, et all cit in Nogueira, 2009,p.21).

A Comunicação Alternativa é, assim, qualquer forma de comunicação diferente da fala e usada por um indivíduo em contextos de comunicação frente a frente (…). Comunicação Aumentativa significa comunicação complementar ou de apoio. A palavra “aumentativa” sublinha o facto de o ensino das formas alternativas da comunicação ter um duplo objetivo: promover e apoiar a fala e garantir uma forma de comunicação alternativa se a pessoa não aprender a falar. (Tetzchne e Martinsen, cit in Nogueira, 2009,p.22).

As técnicas aumentativas de comunicação, de acordo com Nogueira (2009) dizem respeito à utilização de qualquer técnica que complemente ou reforce a fala no processo comunicativo. Podem incluir-se nestas técnicas o sorriso, as expressões faciais, entre outras.

A criança com paralisia cerebral que apresente graves problemas ao nível da fala necessita, além destas técnicas, de outras mais elaboradas que se ajustem às necessidades educativas de cada criança, nas quais se incluem os símbolos pictográficos do SPC[1].

Assim os SPC (Símbolos Pictográficos para a Comunicação), foram criados quando se sentiu a necessidade de construir um sistema que fosse facilmente percetível tanto para o indivíduo que o utiliza como para a pessoa que comunica com ele. Este sistema é composto por símbolos pictográficos desenhados sobre fundo branco e contornado por um sistema de cores previamente definido. Tem a particularidade de apresentar temas em áreas, como a religião, sexualidade, computadores, lazer, etc.

Na sua origem, e com o objetivo de tornar o SPC uma ferramenta prática e útil para os utilizadores deste sistema, alguns autores referem que os símbolos foram desenhados para que fossem facilmente apreendidos, apropriados a todos os níveis etários, diferenciados uns dos outros, simbolizando assim as palavras e atos mais comuns usados na comunicação. A prancha é adequada ao usuário de acordo com a personalidade do indivíduo que a utiliza e pode ser utilizado juntamente com fotos, desenhos próprios, figuras de revista, etc. Os símbolos estão facilmente agrupados em seis categorias gramaticais distinguindo-se por cores diferentes, facilmente reproduzíveis em fotocopiadora, tornando-se assim um sistema pouco dispendioso.

A grande variedade de símbolos que este sistema oferece faz com que constitua um sistema bastante completo, o que o tornou um dos mais utilizados pelos utentes da comunicação Alternativa e Aumentativa em todo o mundo. Também o facto de possuir cores a distinguir as seis categorias gramaticais facilita a localização do símbolo gráfico, ajuda na construção gráfica, na memorização e no raciocínio, constituindo também um fator de motivação para a criança que o utiliza.

Outra grande vantagem deste sistema SPC é que não exige um nível cognitivo muito elevado, permitindo assim a sua utilização em casos graves, uma vez que facilmente os interlocutores o entendem pois possuem significado escrito no próprio símbolo.

Com o SPC a criança tem oportunidades de expressar as suas emoções, manifestar as suas necessidades e desejos e tem acesso a uma linguagem interior e a uma organização de conceitos que irão favorecer o seu desenvolvimento cognitivo, social e emocional.


[1] O Sistema SPC – Símbolos Pictográficos para a Comunicação - é um sistema em que a maior parte dos símbolos são iconográficos. Sendo essencialmente uma biblioteca de símbolos, o sistema SPC permite a realização rápida e simples de tabelas e quadros de comunicação adaptados às necessidades de cada criança.

1 comentário:

  1. Achámos bastante interessante toda a informação disponibilizada. Possibilitou-nos conhecer alguns materiais alternativos, aumentativos e as potencialidades de cada um.
    Obrigada!

    ResponderEliminar



Concluímos, afirmando que as técnicas da Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA), permitem uma melhor expressão de quem tem dificuldade em exprimir-se e melhoram as relações com o mundo, pois a criança sente-se mais compreendida e aceite por quem a rodeia.




Bibliografia



Nogueira, C. (2009). Educação especial - Comunicar com crianças com paralisia cerebral. Editorial Novembro;



Outras publicações:



Comunicação, linguagem e fala, Perturbações Específicas de linguagem em contexto escolar, Ministério da Educação, 2003;



novação curricular na implementação de meios alternativos de comunicação em crianças com deficiência neuromotora grave;


Comunicação e linguagem - Sistemas Alternativos e Aumentativos da comunicação, Universidade Portucalense, 2008.

Para mais informação sobre os símbolos poderão consultar alguns sites: